Marketing Sensorial: estratégia de diferenciação

In Marketing by Laine Martins0 Comments

Conhecido também como Brandsense, o Marketing Sensorial está se tornando algo cada vez mais presente nas empresas. Com o crescimento acelerado de alguns setores do mercado, as marcas apelam para estratégias de diferenciação, visando conquistar seu espaço no mercado. Sendo assim, dentre as diversas ferramentas, estratégias e métodos existentes, o Marketing Sensorial é uma ótima alternativa para aqueles que pretendem se destacar de uma forma diferenciada e consolidar a sua identidade no setor em que atua.

Estratégia de diferenciação
O Marketing Sensorial se trata, basicamente, de uma estratégia de associação dos clientes à uma determinada marca, trabalhando com os cinco sentidos (visão, audição, paladar, tato e olfato) e provocando sensações que estimulam a venda.

Conhecendo o seu público e a sua identidade organizacional, aderir a esse tipo de estratégia é uma tarefa simples. O diferencial do estímulo dos sentidos causa um impacto no cliente, fazendo com que o mesmo relacione a marca às sensações, lembrando-se dela sempre que vivenciar tais experiências. Um exemplo marcante é o “vermelho da Coca-Cola” e a fonte utilizada em seus rótulos. É inquestionável a presença que marca tem no mercado mundial e a sua consolidação. Não importa o local, palavras escritas em branco, num fundo vermelho, com uma fonte similar, trazem uma lembrança inconsciente da Coca-Cola. Outro exemplo interessante é a estratégia que algumas padarias adotam de colocar suas cozinhas bem próximas ao balcão de atendimento, fazendo com que o cheiro do pão (ou qualquer outro produto que esteja sendo preparado) desperte o interesse dos clientes.

Após adquirir um conhecimento prévio do que é e como funciona o Marketing Sensorial, é importante analisar a possível utilização dessa estratégia no seu modelo de negócio. Vale relembrar que é imprescindível conhecer o público alvo e a identidade organizacional da empresa para que a mesma possa obter um melhor desempenho e aproveitamento desse modelo estratégico após a sua implementação.

A seguir, serão apresentados os seis sentidos e algumas formas interessantes de despertá-los.

Visão
Ativar as sensações e buscar a diferenciação visual da sua marca e/ou loja é uma parte muito importante. Cerca de ¼ (um quarto) do nosso cérebro está ligado à visão. Isso indica que os recursos visuais podem ser muito efetivos caso sejam explorados adequadamente nas estratégias que visam atingir um cérebro consumista.

A harmonia das cores em um ambiente bem iluminado pode ser uma boa aposta. Trabalhe para deixar seu ponto de venda com a personalidade que a sua marca possui, além de passar por uma boa experiência visual, irá permitir que o cliente associe aquele ambiente à personalidade da marca.

Audição
O segundo sentido que mais nos relembra momentos e sensações é a audição. Sons podem nos trazer memórias nostálgicas e profundas que são, muitas vezes, acompanhadas de sentimentos intensos. Trabalhar os efeitos sonoros dentro da realidade empresarial como uma estratégia de marketing é uma ideia facilmente aplicável e que pode ser muito eficaz se for usada de forma correta.

Um exemplo de marketing sensorial com foco na audição é o som da Microsoft quando se inicia algum aparelho com o sistema operacional deles. O som tornou-se mundialmente conhecido e traz a lembrança da marca sempre que é escutado. Quando se trata de uma loja física e frequentada pelos clientes, é possível utilizar uma música ambiente que adequada ao público e ao ambiente.

Tato
O fato de oferecer ao cliente a oportunidade de tocar seu produto pode alterar a percepção dele. Por instinto, costumamos gostar de segurar, sentir e apalpar as coisas. Essa questão também é aplicada ao momento da compra. Às vezes, sentimos mais segurança quando temos contato com algum produto ou serviço por alguns instantes, possibilitando que nosso cérebro compreenda aquilo que estamos mantendo contato e, possivelmente, desperte a necessidade de obter tal coisa.

Este método deve inserido na sua empresa de modo que o cliente não só perceba que aquele produto pode ser dele, mas também entenda que tal produto está associado à sua marca. É preciso trabalhar com as sensações, então aposte em algo capaz de provocar uma sensação de diferenciação como, por exemplo, as diferentes texturas que um produto ou embalagem podem apresentar.

Olfato
O olfato é um sentido extremamente importante, principalmente para aqueles que pretendem adotar estratégias de Marketing Sensorial. De uma forma mais científica, é possível definir o olfato como: “sentido que têm acesso neurológico direto ao sistema límbico do cérebro ─ que guarda e intermedia as memórias” (BATEY, 2010, p.117). Trazendo-nos memórias boas ou ruins, o olfato permite que o nosso cérebro associe os aromas a lugares, momentos ou sensações.

As fragrâncias é uma das diversas formas de fazer o cliente identificar mais facilmente a identidade de uma empresa. Um exemplo interessante é a marca Johnsons & Johnsons. Seus produtos possuem um aroma bem característico, possibilitando que o cliente lembre da marca sempre que utilizar qualquer um deles. Apresentar um cheiro agradável e característico pode ser uma grande estratégia de diferenciação.

Paladar
Para transmitir ao cliente uma experiência completa, podemos considerar o paladar como um truque importante a ser utilizado. Estudos comprovam que quando estamos com fome, não conseguimos prestar atenção em muitas coisas a nossa volta. Com isso, é interessante alinhar alguns sentidos para obter uma melhor performance na hora da venda.

É possível tirar vantagem do aroma sem incluir o paladar. Contudo, o paladar sem o cheiro é praticamente impossível. O paladar está intimamente relacionado ao olfato, mas também está intimamente relacionado à cor e ao formato. (LINDSTROM, 2011, p.101)

É possível, então, concluir que servir algo aos clientes durante a compra pode atribuir valor ao seu serviço. A experiência de saborear algo durante a aquisição de algum outro produto pode fazer o cliente memorizar a marca e valorizar o momento vivido no local, podendo despertar um interesse em passar mais tempo naquele ponto de venda.

Considerações finais
Muitas empresas perdem a oportunidade de trabalhar com os sentidos humanos, podendo ser o fator chave que falta para a consolidação do seu empreendimento no mercado. Psicólogos comportamentais julgam a estratégia sensorial como efetiva pelo fato de que cerca de 80% das impressões que obtemos quando nos comunicamos com outras pessoas não são verbais. Ou seja, a maioria dessas impressões são sensoriais. Utilizando esse modelo de diferenciação uma empresa pode se destacar no mercado. Porém, vale a pena ressaltar que é importante haver um bom senso na utilização de tal estratégia. O exagero nunca é a melhor opção, portanto, a empresa deve explorar os sentidos dos clientes sempre de uma forma harmônica e equilibrada, evitando um desconforto ou, até mesmo, aversão ao produto, que poderiam ser causados por alguma experiência desagradável.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Laine Martins
Assessora de Recursos Humanos e graduanda do curso de Administração na Universidade Federal de Santa Catarina
Laine Martins

Laine Martins

Assessora de Recursos Humanos em Ação Júnior
Assessora de Recursos Humanos e graduanda do curso de Administração na Universidade Federal de Santa Catarina
Laine Martins

Leave a Comment