Skip links

Estratégia: de objetivos à planos de ação.

 

Deseja elaborar estratégias para sua empresa, mas não tem certeza sobre o caminho a ser tomado? Conheça os passos que devem ser tomados para construí-las de maneira mais assertiva, partindo de objetivos à planos de ação que os farão acontecer. O conceito de estratégia, atualmente, é bastante diversificado. Em sua origem, remetia aos planos, métodos ou manobras adotadas por generais durante as guerras para superar os obstáculos impostos por seus inimigos.

 

Com o desenvolvimento intelectual, econômico e social, no entanto, a palavra começou também a ser aplicada em áreas como a psicologia, a política e a gestão empresarial, onde representa os planos de ação que serão realizados para alcançar os objetivos definidos. Entretanto, as estratégias precisam de alguns pontos para que auxiliem a trazer resultados e causem o impacto desejado. Assim passaremos por alguns passos que irão guiar o processo de criação de uma estratégia.

 

1 Traçar Objetivos

 

O primeiro passo na definição de uma estratégia é definir e isolar um objetivo, ele será o ponto a alcançar e pode ser definido de maneira genérica, desde que o resultado obtido ao se conquistar esse marco esteja bem definido, para que não que ocorram problemas de desalinhamento quanto às recompensas para as pessoas envolvidas.

O objetivo, portanto, deve ser algo que se conecte com a identidade organizacional da empresa, podendo representar sua missão, uma etapa para se aproximar dela ou um reforço para algum de seus valores.

É importante concentrar suas estratégias em poucos objetivos de cada vez, pois cada um precisará de uma abordagem diferente e acompanhamento constante. Caso muitos sejam criados ao mesmo tempo, a atenção ficará muito dividida e nenhum deles será concretizado.

 

2 Definir Metas

 

Em seguida devem ser criadas metas para tangibilizar os objetivos e permitir que sejam acompanhados, além de servirem como mensuração da eficácia das estratégias adotadas, ao compará-las com o que foi efetivamente realizado.

Para a padronização deste processo, é possível utilizar a metodologia SMART, na qual cada letra representa uma das etapas da construção de uma meta assertiva.

O “S” representa que deve haver especificidade, ou seja, as metas, diferente dos objetivos, precisam ser explicadas o máximo possível para que não seja interpretada de forma errada.

O “M” significa mensurável, de forma que os critérios adotados não possam ser relativos. Assim, não basta apenas determinar valores, também é necessário determinar quais serão os pontos de comparação.

O “A” vem de atingível, pois definir metas inalcançáveis vão apenas desmotivar a equipe, mas se for muito pequena não causará a motivação e senso de urgência que auxilia na obtenção de melhores resultados. Para que essa decisão seja tomada, é importante analisar as tendências do mercado e o histórico da empresa.

O “R” remete à relevante, visto que as metas devem ser constantemente acompanhadas e o levantamento de pontos excessivos que não ajudarão no processo apenas aumentará a chance do objetivo ser negligenciado.

O “T” caracteriza, por fim, a necessidade de controle do tempo. Para que uma meta seja definida, ela precisa ter um prazo bem estipulado, ele irá regular quando os resultados devem ser alcançados.

 

3 Acompanhamento das Estratégias

 

Como as metas normalmente abrangem grandes períodos de tempo, é necessário definir métricas para controlar o resultado, elas representarão frações da meta que devem ser atingidas em espaços mais curtos de tempo, para que as estratégias possam ser ajustadas corretamente.

Inicialmente, caso não seja conhecida a periodicidade da empresa, as métricas podem representar a meta de forma escalonada, ou seja, ao meio do período, metade do valor deve ter sido alcançado. Uma forma mais adequada de realizar a análise, no entanto, é a maneira proporcional, onde os valores são definidos com base no histórico de sazonalidade, permitindo que a métrica seja maior em períodos que a empresa costuma realizar mais vendas, ou menor em períodos nos quais não tem muitos clientes.

 

4 Elaborar Planos de Ação

 

Depois de encontrar o marco final a ser conquistado e determinar o que pode ser analisado para mensurar os resultados, devem ser construídos planos de ação para definir como a empresa sairá do ponto atual e chegará em seu objetivo.

As estratégias devem definir os pontos chave na realização de um processo para ele esteja alinhado com aquilo que a empresa deseja alcançar e sua execução fique clara para todos os membros da equipe.

É importante ressaltar a necessidade de acompanhamento, pois se uma estratégia não está sendo capaz de demonstrar seus resultados, deve ser analisado qual foi o erro em sua concepção e adaptá-la.

 

5 Metodologia da Estratégia

 

Algo que auxilia com o procedimento de elaboração de uma estratégia é o 5W2H. Ele representa 7 perguntas vindas do inglês que representam pontos a ser analisados durante a construção dos planos de ação.

Em português, as perguntas com “W” são: “o que?”, onde deve ser detalhado o processo; “Porque?”, justificando o motivo de criação desse plano de ação; “Onde?”, para que os envolvidos saibam em qual local deve ser realizado; “Quando?”, visando esclarecer em quais momentos essa estratégia deve ser aplicada e “Quem?”, determinando as pessoas ou cargos responsáveis pela realização do processo.

Enquanto isso, as perguntas com “H” são: “Como?”, na qual deve ser detalhada a metodologia para a realização da atividade e “Quanto custará?”, onde será realizada uma análise do preço de realização do plano de ação, que deve ser cruzado com a meta que seria conquistada por ele para determinar seu custo-benefício.

 

 

Nosso conteúdo te ajudou a ter um maior entendimento sobre estratégias? Entre em contato conosco e marque uma reunião diagnóstico GRATUITA. Vamos colocar em prática a estratégia ao seu negócio juntos! Nossos projetos de consultoria são totalmente adaptados e personalizados de acordo com a sua empresa e a sua necessidade. Vamos ter a honra de ajudar você a alavancar seu negócio.  

 

 

Por: Guilherme Henrique Warmling

 

Return to top of page